13 de nov de 2013

Sem inclusão escolar a sociedade nunca estará preparada para aceitar e viver as diferenças.

A semana passou rápida, estamos nos preparativos para a “Laterneumsug” uma tradição de outono, aqui na Alemanha. Na tardinha, as crianças vão de casa em casa com uma lanterna na mão, cantando músicas típicas para o evento, fazendo um desfile pelas ruas. De origem religiosa (esse desfile era para comemorar do dia de San Martin), hoje faz parte do calendário cultural do País. As lanternas são feitas pelas próprias crianças e Adam pela primeira vez ajudou a confeccionar a sua e hoje à noite desfilará juntamente com as demais crianças da escola e da comunidade onde estuda. Atividades assim nos deixam bastante felizes, pois vemos que nosso filho tem crescido num ambiente saudável e inclusivo e tem proporcionado aos colegas o espírito de cooperativismo e companheirismo. É muito gratificante receber o feedback das professoras de que todos os colegas se empenharam em ajudar Adam a fazer sua própria “laterne”, sem conhecimento pedagógico, as crianças tiveram a sensibilidade para perceber que ajudá-lo a fazer era muito mais gratificante para ele e para todos que fazer por ele. Estou curiosa para saber o resultado, no post seguinte colocarei uma foto.



Em função dos preparativos (os pais organizam comes e bebes para o grupo que chega do desfile faminto) não sobrou tempo para trabalhar no post que queria colocar essa semana, cujo tema fala sobre os caminhos que escolhemos e como os vivenciamos. Assim o deixarei para a próxima semana e hoje coloco o link para uma entrevista com o Mestre Pablo Pineda, o primeiro europeu com SD a ter um curso superior, publicada no jornal espanhol El Pais. O texto est
á em espanhol, mas acredito que vocês não terão dificuldade para entendê-lo. Pablo é para mim o melhor exemplo de que a inclusão funciona, mesmo quando a maioria acredita ( e muitas vezes torce) no contrário. Em tempos de luta pelo fim da segregação, acredito que essa entrevista tem muito a ver com o que temos discutido nos últimos dias, sem inclusão escolar a sociedade nunca estará preparada para aceitar e viver as diferenças.



  
“El rostro y el discurso de Pablo Pineda, el único diplomado universitario con síndrome de Down en España, removió, desde nuestra portada, a una sociedad que pone etiquetas y cercena las posibilidades de las personas con discapacidad.”

 Cuando nació, hace 29 años, a sus padres les dijeron que nunca podría aprender, excepto lo más sencillo. Hoy es diplomado en Magisterio y pronto se licenciará en Psicopedagogía por la Universidad de Málaga. Y ha empezado a trabajar en el área de bienestar social del Ayuntamiento de esa ciudad, que es la suya. Ciertamente, Pablo Pineda es la única persona con síndrome de Down, en toda Europa, que ha llegado tan lejos; una excepción, casi un milagro. Tal vez una esperanza para cierto número de padres que, angustiados, se preguntan qué porvenir les espera a sus hijos que, como Pablo, han nacido con un fallo genético. En esta entrevista, Pablo envía un mensaje a sus iguales, y a los padres de esos niños, a los profesores y a la sociedad entera. Sabe lo que dice: ha convertido su difícil vida, marcada por una categoría (...), en una experiencia singular a base de esfuerzo, de aguante, de buscar los caminos más idóneos; en un transcurrir lleno de satisfacciones conseguidas a pulso y una a una. La verdad es que si Pablo Pineda es una excepción, él no quiere serlo; no quiere estar solo, ni que le señalen con el dedo. Y si no para de hacer entrevistas, de salir por televisión, es porque todo lo hace para ayudar al colectivo del que se ha convertido en una bandera.

Continue lendo :



 

Um comentário:

  1. Amiga, compartilhei no facebook... não resisti! Perfeito!
    Bjos.

    ResponderExcluir